Projecto


"Olhares Escondidos" é um projecto de matriz social que incide sobre as crianças do Instituto Português de Oncologia, Serviço de Pediatria. Este projecto pretende dar ênfase a valores sociais como igualdade e cooperação e mostrar a importância das actividades de Animação Sociocultural no tratamento destas crianças e no seu processo de socialização. Este projecto realizar-se-á no dia 30 de Maio de 2008, terá lugar no espaço Lions do Instituto Português de Oncologia e é da responsabilidade dos alunos do 3º ano do curso de Animação Sociocultural.

Como o próprio nome indica "Olhares Escondidos" remete-nos para uma realidade sofrida, em que os olhares das crianças se mostram tristes.

"Mais importante que saber qual o tipo de doença que a pessoa sofre, é conhecer essa pessoa que sofre essa doença" (Hipócrates)

quinta-feira, 15 de maio de 2008

O Animador Sociocultural

O Animador Sociocultural assume uma importante função de mediador e facilitador das práticas culturais nos tempos livres, de forma a contribuir para o desenvolvimento cultural de um colectivo, grupo ou comunidade.
É fundamental possuir capacidades, conhecimentos, métodos, técnicas, procedimentos de acção, entre outros para a compreensão eficaz da realidade social. Para se ser bom animador não basta possuir apenas boas intenções.
O domínio destas técnicas instrumentais de Animação Sociocultural é indispensável na realização de projectos, tento em conta o grupo escolhido a realidade e as suas necessidades. Para que o animador possa desempenhar o seu papel é fulcral possuir um conhecimento cultural vasto que lhe possibilite ter uma certa sensibilidade para a captação da realidade envolvente.
Um dos princípios básicos da animação é que se "aprende fazendo", pois é difícil motivar, consciencializar ou mobilizar sem que primeiro se passe para a acção. Quando o animador se propõe promover, organizar e realizar actividades socioculturais, deve ter em conta alguns aspectos básicos, tais como:



  • Partir de problemas e situações nos quais as pessoas se encontram sendo necessário o contacto directo com a realidade que se pretende trabalhar;
  • Para cada grupo, realidade e circunstância é necessário elaborar propostas concretas;
  • É, também, necessário ter em conta a variedade de iniciativas e de instituições que promovem e realizam projectos em âmbitos sociais, culturais e educativos.

"Um bom animador é aquele que sabe acompanhar, em simultâneo, os que vão à frente, os que caminham a meio e os que, cansados ou com dificuldades, ficaram para trás. A todos apoia, motiva e encoraja para caminharem sempre mais, mas também sabe dizer uma palavra específica para a situação de cada um: quem vai atrás sente-se bem porque o animador respeita o seu ritmo e motiva para que o desânimo não o vença; o que vai a meio, é apoiado para que continue progressivamente a percorrer as etapas sucessivas; e o que vai à frente, é encorajado para que tenha em atenção os outros que vêm mais atrás e, ao mesmo tempo, o animador aponta-lhe novos horizontes sempre nobres e valiosos." (Jardim, Jacinto, 2003)

Animador como agente de mudança

  • Desperta consciências;
  • Quebra a apatia;
  • Promove a criação de novos elos sociais;
  • Conduz a uma participação activa na sociedade;
  • Constitui um factor chave nas modernas concepções e estratégias de desenvolvimento;
  • Potencializa e desenvolve as capacidades humanas.