Projecto


"Olhares Escondidos" é um projecto de matriz social que incide sobre as crianças do Instituto Português de Oncologia, Serviço de Pediatria. Este projecto pretende dar ênfase a valores sociais como igualdade e cooperação e mostrar a importância das actividades de Animação Sociocultural no tratamento destas crianças e no seu processo de socialização. Este projecto realizar-se-á no dia 30 de Maio de 2008, terá lugar no espaço Lions do Instituto Português de Oncologia e é da responsabilidade dos alunos do 3º ano do curso de Animação Sociocultural.

Como o próprio nome indica "Olhares Escondidos" remete-nos para uma realidade sofrida, em que os olhares das crianças se mostram tristes.

"Mais importante que saber qual o tipo de doença que a pessoa sofre, é conhecer essa pessoa que sofre essa doença" (Hipócrates)

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Contextualização Teórica

Cancro é uma palavra assustadora que carrega um estigma de sofrimento e de morte. Esta é uma doença terrivel, mas que adquire um sentido mais sinistro quando as vitimas são crianças. O tipo de cancro mais frequente na criança é a leucemia, seguido dos tumores do sistema nervoso central.
O diagnóstico de cancro numa criança ou adolescente altera a vida de uma família por completo. Os pais sentem que a vida lhes pregou a maior partida de todas e enfrentar a doença do filho, os internamentos constantes, os tratamentos diários e as deslocações obrigatórias torna-se um fardo demasiado pesado sem a ajuda dos profissionais e das instituições competentes. Todos os profissionais, cada um na sua área, tenta dar o seu melhor na luta contra este problema, tendo sempre como principal preocupação o bem-estar da criança e dos pais. Existem, também, instituições como a Acreditar - Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro - que entendem que seria fundamental que todas as crianças e pais com a doença tivessem apoio neste período difícil para resolver este problema.
A criança com cancro, normalmente, não tem uma vida considerada normal como as outras crianças da sua idade. Existe uma série de limitações impostas, em primeiro lugar, pelos tratamentos, medicação e controle médico que têm de fazer regularmente. Em segundo lugar, têm algumas restricções no que diz respeito à exposição solar, idas as piscinas devido aos micróbios... O saber lidar com uma criança, como reagir, ajudar alguém que muitas vezes não sabe o que se passa com ela é um desafio. Desafio este que nós como Animadores Socioculturais procuramos ultrapassar dando sempre o melhor de nós através dos conhecimentos que fomos apreendendo ao longo dos anos. O importante é respeitarmos o espaço de cada criança, o seu ritmo e os seus sentimentos, para lhes podermos propiciar momentos agradáveis e alegres (ou pelo menos minorar o seu desconforto), contribuirmos para a promoção da sua qualidade de vida e constituir, indirectamente, uma fonte de apoio para os pais e crianças.
"O Animador assume o papel de despertador da sensibilidade e da fantasia, abre o ser à comunicação, à expressão e à admiração pelas coisas; guia oferecendo motivações, criando o ambiente apropriado. Naturalmente que faz tudo isto sem pressas e com grande respeito pelos ritmos e necessidades de cada um" (Jardim, Jacinto, 2002)