Projecto


"Olhares Escondidos" é um projecto de matriz social que incide sobre as crianças do Instituto Português de Oncologia, Serviço de Pediatria. Este projecto pretende dar ênfase a valores sociais como igualdade e cooperação e mostrar a importância das actividades de Animação Sociocultural no tratamento destas crianças e no seu processo de socialização. Este projecto realizar-se-á no dia 30 de Maio de 2008, terá lugar no espaço Lions do Instituto Português de Oncologia e é da responsabilidade dos alunos do 3º ano do curso de Animação Sociocultural.

Como o próprio nome indica "Olhares Escondidos" remete-nos para uma realidade sofrida, em que os olhares das crianças se mostram tristes.

"Mais importante que saber qual o tipo de doença que a pessoa sofre, é conhecer essa pessoa que sofre essa doença" (Hipócrates)

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Actividade Lúdica

Na aborgagem da problemática da hospitalização da criança, é necessário ter em conta as suas necessidades globais. Tal implica a adopção de medidas ao nível dos espaços e equipamentos, onde se incluem os materiais de brincar e jogar mas também implica que se tenha presente as necessidades de cada criança e que se atenda às suas reacções perante as diferentes situações.
Quando uma criança dá entrada num hospital, seja numa sala de espera, numa sala de exames ou de tratamento, esta deve encontrar um espaço lúdico, com brinquedos, jogos, livros, pessoal capacitado que se preocupe em amenizar o contacto da criança com o hospital e que compreenda as necessidades das mesmas.
As actividades lúdicas, o brincar, o jogar têm o "poder" de tornar o ambiente de um hospital mais leve, distendido e alegre. Os brinquedos, os jogos e as actividades realizadas no local devem ter em conta todas as idades e ser de livre acesso e escolha, a criança não pode ser obrigada a fazer o que quer que seja, o profissional tem de ter a capacidade de reacção para dar resposta e estas situações. É importante que existam espaços abertos onde a criança possa brincar de livre e espontânea vontade, espaços que lhe sejam acessíveis, quer ela vá pelo seu próprio pé, numa cadeira de rodas ou na cama.
Brincar no hospital é tão importante como tomar a medicação ou fazer os exames clínicos. A existência de bonecos, balões de soro, seringas, roupas para fantasiar (médico, enfermeira) permitirão também à equipa poder preparar a criança através da brincadeira, mostrando-lhe o que vai acontecer durante a sua estadia no hospital e quais as diferentes intervenções a que será sujeita. Se estiverem presentes estas dinâmicas, a criança e o jovem poderão exprimir a sua angústia, dor e agressividade ao brincar e jogar. Enquanto observadores, os profissionais devem ajudá-los explicando as situações com que estes têm dificuldade em lidar.
Há que ter em conta alguns aspectos importantes no acto de brincar:
  • O acto lúdico deve responder às questões que se colocam à criança durante as diferentes fases do internamento;
  • É necessário manter a auto estima da criança e dar-lhe apenas materiais que ela possa manipular com sucesso. Nestas idades, as crianças não toleram o insucesso de uma brincadeira numa situação que já lhes é difícil (internamento);
  • Há que dar a possibilidade à criança de brincar sozinha, com companheiros ou com os pais, conforme a sua vontade;
  • Toda a criança deficiente ou acamada deve participar em todas as brincadeiras em que os seus companheiros participarem;
  • Há que ter presente que a observação das brincadeiras é uma fonte importante para completar a informação clínica;
  • Os actos lúdicos devem contribuir para a preparação e recuperação da criança, antes e após as intervenções cirúrgicas e outros procedimentos traumáticos.

Como sabemos na maioria dos serviços pediátricos existem educadores de infância, é do senso comum que, existindo estes profissionais, lhes deverá caber a tarefa de acompanhar, desenvolver ou estimular a presença do direito de brincar no hospital e também de entreter as crianças e jovens nas horas livres de que dispõem quando não estão em tratamento, mas é necessário ver para além do óbvio. Consideremos que este trabalho deve ser encarado como mais uma "valência" na pediatria e que deve ser da responsabilidade de uma equipa multidisciplinar, onde vários saberes e experiências se encontram, como parte integrante de toda a equipa do hospital. Torna-se necessário encarar a brincadeira, os brinquedos, os jogos e as actividades como fundamentais para a melhoria nas condições da estadia da criança, do adolescente e da família, tornando o ambiente mais caloroso e mantendo as capacidades afectivas, criativas e sociais num ambiente difícil e destabilizante, permitindo-lhes o desenvolvimento do imaginário através de actividades lúdicas e culturais, canalizando as emoções e atenuando as sequelas psicológicas. Se aceitarmos estes pressupostos, verificamos que nenhum profissional pode actuar sozinho e que nenhuma formação reúne todos estes conhecimentos.

O que nos remete para o seguinte: o quadro do hospital não devia contemplar profissionais com formações diversas (animadores socioculturais, educadores de infância e outros) ? Atendendo que nos estamos a relacionar com "uma planta - frágil e vulnerável... o afecto e o brincar desempenham um papel determinante e podem contribuir de forma decisiva para o bem estar físico e psíquico do doente e, portanto, para a sua melhoria". (Torrado da Silva)